Previous
Next

EX-ALUNA DA UENF DENUNCIA EM LIVROS O PRECONCEITO CONTRA AS EMPREGADAS DOMÉSTICAS

Um caso em especial marcou a professora Marusa Bocafoli da Silva em suas entrevistas para uma tese de doutorado sobre empregadas domésticas. Em 2018, uma babá de 35 anos do bairro carioca do Leblon viajou com a família dos patrões para São Paulo. No meio da semana, passou mal e comunicou à patroa, que não deu muita importância e lhe recomendou tomar um analgésico. No dia seguinte, a empregada veio a falecer num hotel da capital paulista; sem receber a atenção devida – longe do marido e dos dois filhos, que ficaram no Rio.

A história diz muito sobre o preconceito que ainda existe em relação a esta categoria profissional, que, no Brasil, é formada por 67% de mulheres negras (dados do IBGE). Embora já fosse reconhecida pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), a profissão de empregada doméstica era tratada de maneira diferente das demais categorias – não havia a obrigatoriedade do FGTS, por exemplo. A regulamentação só veio em abril de 2013, com a promulgação da Emenda Constitucional 72 (conhecida como PEC das Domésticas). Mas a atividade continua sendo tratada por muitos como sendo de menor valor.

– Ainda hoje a categoria é a que tem o maior percentual de trabalhadores sem carteira assinada: são menos de 40% – denuncia Marusa, que é graduada em História pela Faculdade de Filosofia de Campos, mestre e doutora em Sociologia Política pela UENF e atualmente trabalha como professora na Universidade Candido Mendes. “Há um histórico de preconceito. Os avanços existem, mas ainda hoje é difícil garantir os direitos dessas trabalhadoras”.

As entrevistas que Marusa fez com empregadas domésticas em Campos e na Zona Sul do Rio de Janeiro deram origem a dois livros: “Como se fosse da família – Desventuras das babás da Zona Sul do Rio de Janeiro”, e “Uma relação (in) tensa entre patroas e empregadas”.

Na análise da professora, a realidade das empregadas e babás foi forjada a partir da escravidão no Brasil. Com a Abolição, os trabalhos considerados de menor valor continuaram com os negros. Em sua opinião, é necessário pensar leis que realmente regulamentem as relações trabalhistas. “Além disso, é preciso haver uma mudança cultural, de consciência social. Este é um trabalho mais profundo, que requer investimentos em educação, debate público, lutas e denúncias. Eu vejo como um processo demorado, embora já tenhamos alguns avanços”.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Posts Recentes